Home / EXPLORED HISTORY / Ascensão e queda do Império Mogol (sim, você leu certo)
Comerciante mugal negociando a venda de especiarias aos navegadores portugueses. Índia, 1582, colorizado artificialmente.

Ascensão e queda do Império Mogol (sim, você leu certo)

O Império Mogol foi o segundo maior império a dominar subcontinente indiano, perdendo apenas para o Império Britânico. Foi também um dos reinos indianos mais duradouros, com sua duração marcada por um administração sofisticada, boa convivência com as culturas locais, uma economia forte e grandes investimentos nas artes, principalmente na arquitetura.

Mas nossa história começa um pouco antes do surgimento do império Mogol: ela começa em 1370, com a ascensão da Dinastia Timúrida- uma dinastia mongol que conquistou boa parte da Ásia central, exercendo domínio sobre a Pérsia, o Cáucaso, parte da Turquia, Iraque, e mais o Afeganistão, Paquistão e o norte da Índia.

Os Timúridas abraçaram a cultura persa, afastando-se dos seus antepassados mongóis, e adotaram o islamismo como sua religião oficial. Apesar de uma rápida modernização, eles não deram conta de manter domínio sobre todo seu território, e logo começaram a se fragmentar em novos pequenos países. Um desses pequenos países que se separaram do Império Timúrida foi o Império Mogol (ou Mugal), que se estabeleceu no noroeste indiano e no Paquistão em 1526.

O Império Mogol se expandiu rapidamente pelo subcontinente indiano, até conquistar todo o norte da Índia. A relação pacífica com os povos conquistados e o comércio com os navegadores europeus levou o império a prosperar, alcançando sua era de ouro no século XVII. Durante o reinado de Shah Jahan, a arquitetura Mugal alcançou seu auge, com a construção de grandes e refinados monumentos como o Taj Mahal e a Mesquita de Pérola.

Conforme o império foi se tornando poderoso, os conflitos internos foram se tornando cada vez mais frequentes, e outras nações indianas foram procurando formas de tirar proveito disso. A partir das primeiras décadas do século XVIII, o Império Mogol estava no auge de sua extensão, dominando quase todo o subcontinente indiano. Mas seu exército estava cansado, o poder do imperador estava reduzido e as brigas pelo trono se tornaram constantes. Enquanto isso, um vizinho hindu ao sul ganhava cada vez mais força: o Império Marata.

Ao ver os mugais enfraquecendo, os maratas passaram a adotar uma política agressiva, expandindo-se rapidamente para dentro do subcontinente. As tentativas de resistência do império se mostraram infrutíferas, obrigando os imperadores a pedir apoio estrangeiro. Na segunda metade do século XVIII, a dinastia Mugal não teve outra opção além de apelar ao apoio dos britânicos, tornando os restos do Império Mogol um mero Estado fantoche da Companhia Oriental das Índias Britânicas.

Após a Guerra dos Sete Anos, os britânicos se expandiram para dentro da Índia, até que todo o subcontinente estivesse em mãos inglesas. A política de opressão inglesa sobre as nações indianas resultou em uma rebelião, em 1857, comandada pelo imperador mugal de jure Bahadur Shah Zafar. A rebelião foi esmagada e o imperador foi exilado do país, marcando o fim da dinastia Mogol.

Em 1858, a rainha britânica Vitória foi proclamada Imperatriz da Índia. O subcontinente indiano passou a ser uma nova nação colonial: o Raj Britânico, que durou até pouco depois da segunda guerra mundial.

About Lucas Mayon

Estudante de Direito em Brasília, criador da página.

Check Also

Desmistificando a República das Duas Nações

A República das Duas Nações (ou Comunidade Polaco-Lituana) é uma das mais famosas nações extintas …