Home / EXPLORED HISTORY / A Guerra de 1812 ou Quando queimaram a Casa Branca
"The burning of the White House"

A Guerra de 1812 ou Quando queimaram a Casa Branca

“The Burning of the White House”. British soldiers setting fire to the White House during the “War of 1812”, 1814. Many other buildings were burned to the ground as well. Oil on canvas from the same year, 1814.

 

Quando você pensa em derrotas militares dos EUA, tenho quase certeza que só consegue lembrar apenas do Vietnã. Bom, eis aqui mais uma história, o que pode ser comparado a uma daquelas sextas em que você acorda louco pra encher a cara, mas no final acaba dando PT e só quer saber de voltar pra sua cama do jeito que acordou.

 

O conflito de interesses

 

O ano é 1812. As guerras Napoleônicas já estão criando um rastro de destruição pela Europa e os Britânicos estão desesperados para manter sua frota. Tempos de guerra também são tempos de deserção, e não era incomum que marinheiros ingleses fugissem para os EUA.
Como política de guerra, os britânicos começaram a prender marinheiros dentro dos Estados Unidos. Em contrapartida, o governo americano passou a receber esses desertores com cidadania instantânea. O que foi completamente ignorado pelos ingleses.

A fúria dos americanos aumentou justamente quando fragatas inglesas passaram a ser avistadas a olho nu próximo a portos americanos, caçando desertores.

Na época também, lugares que posteriormente seriam estados Americanos, eram fortemente povoados por tribos indígenas, como o Illinois, Indiana e Michigan. Tais tribos se uniriam pela causa mútua de criação de seu próprio país.

O Reino Unido, então, viu grandes oportunidades de fazer alianças com os indígenas, o que favoreceria suas colônias canadenses. Os mesmos não perderam a chance de despejar armas e mais armas nas mãos dos indígenas.

Aí é que tudo começou a dar errado. Na época, os EUA, sob governo de James Madison, ansiavam fortemente por expansão. As localidades pretendidas para tal? Illinois, Indiana, Michigan, Ohio e afins. Acho que já vimos esses nomes, não?

Com pretensões de tomar tais localidades sob posse dos indígenas, os americanos tiveram a genialíssima idéia de, também, anexar o Canadá. O que evitaria o envio de armamento dos ingleses.

 

A Guerra

 

Em 18 de Junho de 1812, os Estados Unidos da América declaram guerra contra o Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda. Após algumas escaramuças navais, em 12 de Julho, tropas americanas adentram território Canadense.

A invasão, em seus primeiros estágios, contou com várias vitórias americanas. O Canadá parecia uma presa fácil até a chegada das tropas em Montreal, onde uma derrota custosa, contra tropas em menor número com grandes porções de indígenas derrotou o exército mal treinado americano. Tropas britânicas começaram a empurrar os estadunidenses de volta, até que estes perderam a, na época, vila de Detroit, um ponto estratégico.

 

As formidáveis táticas navais americanas

 

Sabendo sobre a poderosa frota Britânica, os americanos criaram uma estratégia que consistia em defender seus portos usando pequenos navios, equipados com armas mais pesadas, para atingir os britânicos à distância. Tática que se provou ser um gloriosíssimo e infame F I A S C O. As embarcações foram facilmente abatidas e os ingleses puderam atacar toda a costa americana a vontade.

Até esse ponto os americanos já não tinham mais acesso a praticamente nada de sua linha costeira.

A guerra seguiu derradeira até 1814, quando Napoleão abdicou seu Império, sendo exilado pela primeira vez. O que significava que os britânicos agora poderiam enviar exércitos veteranos para lutar contra os americanos.

O Incêndio da Casa Branca

Ao que tais tropas chegaram em solo americano, logo lançaram uma operação ambiciosa contra o estado da Louisiana. Capturando Washington e a destruindo completamente, assim como outras localidades da região. Devido a casos de depredação de propriedade pelas tropas americanas, diga-se, destruição de casas civis e outros tipos de prédios “Neutros”, Sir George Prévost, governador geral do Canadá, ordenou que queimassem a Casa Branca, assim como todos os outros prédios públicos de Washington, para mostrar aos americanos com quem estavam lidando e que não aceitariam esse tipo de “vandalismo”.

O avanço só seria parado na grande Batalha de Nova Orleans, que durou de 6 a 18 de Janeiro de 1815. Na qual o general americano Andrew Jackson conseguiu uma custosa, porém decisiva, vitória contra os invasores. Fazendo o exército britânico recuar por completo da Louisiana.  Tornando o general o herói nacional reconhecido até os dias de hoje.

Paz, enfim

O evento criou a oportunidade para uma proposta de paz, que se concretizou no “Tratado de Ghent”. O tratado consistia na determinação do Status quo ante bellum, ou seja, tudo voltaria a ser exatamente como era antes. Fronteiras e propriedades devidamente recolocadas no mesmo lugar que estavam em 17 de Junho de 1812.

 

Posteriormente, em 1816, alguns índios da tribo Sauk, liderados por seu líder-de-guerra, “Falcão Negro”, os quais não sabiam do Tratado de Ghent (ou só não se importavam) atacaram uma patrulha de Rangers Americanos, o que levou a morte de 7 desses, assim como 1 indígena. Posteriormente os índios seriam capturados e Falcão Negro reconheceria o tratado.

 

“The burning of the White House”

About Vitor Machado

Estudante de Comunicação Social - Relações Públicas na Universidade Federal do Paraná. Amante de história e escritor de fanfic. 19 anos.

Check Also

Um mundo romano continuado por bárbaros

A queda do império romano em 476 d.c marca historicamente o fim da idade antiga …

One comment

  1. Eu não fazia ideia, parabéns pela postagem.