Home / EXPLORED HISTORY / A Europa depois de Napoleão

A Europa depois de Napoleão

Após a derrota de Napoleão em Waterloo –Mais sobre esse tema depois- , a primeira onda revolucionária na França havia sido finalmente contida pela Coligação dos Países Contra-revolucionários. O maior símbolo da vitória dessa Coligação e o pacto diplomático que se seguiu foi instituído no famoso Congresso de Viena que existiu entre 1º de outubro de 1814 e 9 de junho de 1815.

O Congresso de Viena Definiu Algumas 3 diretrizes importantes para a nova ordem diplomática que se seguiu por toda a idade vitoriana, o chamado “longo” Século XIX que só terminou em 1914, com a 1ª Guerra Mundial.

Tais diretrizes foram:

O princípio da Legitimidade

Napoleão Redesenhou o Mapa político Europeu. Suas guerras de expansão e revolução viraram as cortes europeias de cabeça para baixo. Um dos Generais de Napoleão virou Rei da Suécia; O seu irmão mais velho se tornou Rei da Espanha, além de muitos outros familiares e amigos seus que se tornaram governantes de reinos e repúblicas satélites ao Império do novo regime.

De tal modo, tal confusão foi apreciada negativamente pelo congresso de Viena, que decidiu por restaurar os reinos conquistados por Napoleão as suas respectivas dinastias e linhagens de nobreza antes da Onda Revolucionária. Isso significava que a Casa dos Bourbon voltaria a reinar mais uma vez sobre o a França assim como a Espanha.

Além disso, o desenho das fronteiras foi redefinido ao máximo para se parecer com as fronteiras pré-revolucionárias. No entanto, sobre isso, os outros dois pontos também tangenciam essa questão territorial.

O princípio da Restauração

A revolução Francesa modificou não somente as fronteiras e o desenho político do continente como também as estruturas de poder na administração e na vida parlamentar dos estados antes absolutistas. Assim, o congresso de Viena instituiu que os poderes do Rei e a antiga organização política seriam restauradas e na medida do possível, mantidas.

Isso certamente significou um retrocesso para muitas pessoas nos recém-derrotados países do novo regime, oque se desenrolou mais tarde nas novas ondas revolucionárias –Faremos um artigo depois isso-

O princípio do Equilíbrio

Esse princípio volta a ter como tema a questão territorial. Como explicado em cima, as guerras de revolução alteraram o cenário político e geopolítico europeu e foi missão do congresso de Viena de restaurar ao máximo o status quo pré-revolução.

No entanto, para preservar de fato a inércia política européia, era necessário que houvesse um real equilíbrio de poder. Esse conceito, ainda muito novo para a diplomacia na época, tendo surgido durante a revolução diplomática de 1756, se tornara a mais importante prioridade da coroa britânica. –os motivos disso, explicarei depois-

Bem, de toda forma, foi concordado pelas potências que venceram napoleão que, para que não houvesse mais outra revolução e nem mesmo uma guerra daquelas proporções, deveria haver um equilíbrio geopolítico. Isso significou em parte a restauração das fronteiras mas em contrapartida também algumas alterações estratégicas, como por exemplo a incorporação da Bélgica pelos Países Baixos entre outras modificações na divisão política do extinto Sacro-império que foi dividido em duas zonas de influência – Uma Prussiana e outra Austríaca-

 

Europa redesenhada por Napoleão

Europa após o Congresso

Medidas Práticas

Restituição das antigas coroas, redefinição das antigas fronteiras apesar de algumas compensações territoriais

-Criação da Santa Aliança entre Rússia, Prússia e Áustria, com o objetivo de combater e esmagar qualquer surto revolucionário futuro e até mesmo possivelmente restaurar as antigas colônias nas Américas as suas respectivas metrópoles. –Eu imagino que a Santa aliança também teve um papel importante para contra-balancear a hegemonia britânica, muito embora essa hegemonia fosse muito liberal e não apresentasse riscos territoriais ou ideológicos para nenhuma das potencias dessa Aliança.

Controversas

O congresso de Viena de 1815, apesar de seus esforços em restaurar o mundo pré-revolução não foi capaz de conseguir isso a curto e longo prazo. Primeiro porque a Europa havia se transformado muito nos anos de revolução e tanto economicamente como socialmente, as fronteiras prévias não equivaliam o mesmo que dado ao Congresso. Segundo que, como explicitado ali em cima, houveram poucas, porém importantes compensações territoriais – tal qual a anexação a Colônia do Cabo pelos ingleses, assim como muitos outros enclaves e territórios insulares no mediterrâneo. De tal modo, esse tal status quo foi benéfico senão para todos os vencedores, pelo menos e majoritariamente para os Ingleses. Eles sim, foram no final das contas a potência vencedora.

Essa posição na qual foi colocada a Grã-bretanha teve tamanha importância que persistiu ao longo de todo o século XIX que, não por menos, ficou conhecido por Era vitoriana ou por “século Inglês”. Além da Inglaterra, em menor proporção, a Rússia também se alavancou como grande potência. Sendo o país a  infligir uma derrota humilhante a Napoleão, a Rússia tinha ganhado bastante prestígio. Entretanto, a pouca modernização de sua economia e as formas ainda muito servis de sua constituição social, contribuíram para o lento crescimento de seu poder no jogo político, em contraste com a grã-bretanha, que se expandia em um império industrial e liberal, praticamente incontestado.

Posteriormente, entretanto, o Império russo, dará sinais de uma rápida expansão que foi o suficiente para assustar a grã-bretanha e inclusive fazer ela se aliar com o rival histórico – a França- para engajar em um conflito marcante conhecido por Guerra da Crimeia – Mais sobre isso depois-

Resumindo, a derrota de napoleão e o congresso de Viena concluíram o passado status quo pré-revolucionário, que falhou em manter o real equilíbrio de poder, pois elevou a Grã-bretanha como maior potência global e também porque não conteve as outras ondas revolucionárias liberais-burguesas.

 

About Salomon Mebain

Fascinado por história e jogos de estratégia. Atualmente sou graduando em História e Editor da página HFMB, assim como criador de conteúdo aqui no Site.

Check Also

Desmistificando o Segundo Reinado- Parte II

Algumas semanas atrás, lancei um post aqui no site desmentindo alguns exageros espalhados sobre o …