Home / EXPLORED HISTORY / Desmistificando os Guerreiros Samurai

Desmistificando os Guerreiros Samurai

Lealdade. Honra. Espada; O guerreiro samurai impressiona a todos nós com suas qualidades; Sua espada milenar e afiada é a melhor espada já produzida pela humanidade; A conhecida lâmina de mil dobras demonstra uma precisão técnica e resultado final capaz de desferir um golpe avassalador.

É uma pena no entanto que o parágrafo inteiro esteja equivocado. Hoje entenderemos o porque.

A maior parte dos fãs e entusiastas de cultura japonesa sabe um pouco ou muito sobre os guerreiros Samurai, mas você pode chamá-los também de Bushi (武士). Esses guerreiros, longe de serem um aspecto monolítico da sociedade feudal japonesa, são uma parte orgânica e mutável da vida e civilização nipônica no período de transformações que aconteceu entre a era Heian e a Era Tokugawa.

Vamos aos mitos:

 

Mito #1 : Os “guerreiros Samurai”

O fio condutor da história Samurai é traçado desde os tempos mais cedos da Era heian (794- 1185) até os mais tardios com a queda e extinção dos samurais após a rebelião Satsuma durante a restauração Meiji. A longevidade dessa instituição nos indica não sua imutabilidade mas como sempre, uma boa capacidade de se modificar as constantes alterações da vida humana e da sociedade feudal japonesa.

Em toda a sua existência, os guerreiros Bushi se modificaram enormemente. Seu papel social, suas armas e a cultura que os cercava mudaram tanto que fica extremamente difícil forçar uma generalização de uma “classe samurai milenar”. Inclusive, podemos claramente distinguir os samurais durante três períodos muito distintos: Os samurais do período heian, do Sengoku Jidai e por último, da era tokugawa.

 

Mito #2 : A honra Samurai

Se alguém pudesse perguntar a um samurai do século XVII sobre honra, lealdade entre outras baboseiras geralmente atribuídas aos Samurai, provavelmente ele ia coçar a cabeça e continuar o que estivesse fazendo. Isso porque todas essas virtudes começaram a ganhar força de maneira idealizada apenas no século seguinte com o estabelecimento da sociedade de corte e da pax tokugawa.

O “bushido”, palavra japonesa para designar “o caminho do guerreiro” só surgiu nos finais do século XVII nascido de doutrinas neo-confucionistas bastante influenciadas pelo shintoísmo e pelo budismo zen. Além disso, o bushido, era um código de honra bastante idealizado responsável por dar diferenciação e prestígio a classe samurai japonesa após o fim da guerra de todos contra todos (Sengoku Jidai)

Historicamente, nos seus primeiros dias, os Bushi eram guerreiros e homens de armas pagos pela aristocracia para protegê-los em viagens e para sufocar rebeliões camponesas. No auge da era heian no entanto, já faziam parte integral do séquito da alta aristocracia japonesa, sendo possível a mobilização de centenas ou até milhares de Samurai pelos senhores mais poderosos.

Durante toda a era heian até o sengoku no entanto, não há sequer nenhuma menção ao bushido e as práticas supostamente conhecidas da aristocracia militar da era Tokugawa.

 

Mito #3 : A Lealdade Samurai

Fazendo referência ao mito anterior, nos seus primeiros dias, a lealdade samurai não deveria ser maior que seu pagamento e a medida que iam fazendo parte do séquito guerreiro aristocrático sua lealdade também não deveria ser maior que os acordos e favorecimentos oferecidos pelos seus suseranos.

Do mesmo modo que a europa feudal, esses guerreiros eram leais em troca de favorecimentos, subornos e promessas de terra e de outros vassalos. Dessa forma, um reino feudal podia se expandir e a hierarquia aumentava.

 

Mito #4: Os samurais eram a espinha dorsal do exército feudal

Nos séculos XV e XVI, o fortalecimento das aristocracias  em conjunto com a introdução de armas de fogo pelos Portugueses, fez irromper um dos maiores e mais importantes conflitos da história japonesa: O tão falado Sengoku Jidai ou período de guerra de todos contra todos.

Basicamente a era sengoku, observou o emprego massivo das armas de fogo por meio do recrutamento em larga escala de camponeses o que alargou para a casa das dezenas de milhares o número de soldados dos campos de batalha. Esses Camponeses, armados com armas de fogo portuguesas e em grande parte, réplicas baratas de arquebuses, eram a bucha de canhão de todo daimyo da era sengoku, eram chamados Ashigaru.

Os ashigaru foram empregados em larga escala no campo de batalha, fazendo com que o papel dos samurai como força de destruição ficasse bastante reduzido. Por causa disso, os samurai passaram a ocupar patentes de oficiais, se destacando pela primeira vez por seu treinamento diferenciado e podendo se elevar como classe militar privilegiada.

Considerando que a era sengoku separa a era samurai pela metade pode se dizer que seu emprego não foi essencial durante metade de sua história

 

Mito #5 : A katana era uma arma especial

Mais uma vez, o Sengoku tem um papel importante na transformação da guerra e da cultura guerreira samurai. Não é diferente com a katana.

Pra inicio de conversa, a katana não era uma espada especial, era a única espada que tinham (Katana literalmente significa espada em japonês). Além disso, não era nem sequer a arma preferida dos samurai. Durante a maior parte de sua história até o sengoku jidai a arma branca de escolha era a naginata, aquela lança com lâmina comprida na ponta.

Inclusive, Mais do que a katana ou até a naginata, a arma que dominou a toda a era heian e durante o shogunato minamoto era o arco e flecha. Os samurai eram excelentes arqueiros montados e pode apostar que a guerra durante muito tempo foram disputas de pontaria montadas a cavalo.

Somente durante o sengoku jidai que a katana ganhou importância como um símbolo forjado da aristocracia e do poder recém adquirido da classe samurai. Apenas com a romantização das cortes do período tokugawa que essa espada ganhou a fama que hoje atribuímos a ela.

Ah.. e aquela “lâmina de mil dobras” ? pode apostar que as mil dobras eram porque o metal tinha tão baixa pureza que eram necessárias mil dobras para o aço ficar puro o bastante.

 

Bem, espero com esse artigo ter deixado muita gente irritada e mais bem informada

 

Até a próxima!

About Salomon Mebain

Fascinado por história e jogos de estratégia. Atualmente sou graduando em História e Editor da página HFMB, assim como criador de conteúdo aqui no Site.

Check Also

A batalha de Leuthen e a incomparável disciplina prussiana

A Guerra dos Sete Anos está no auge, apenas com a Inglaterra para oferecer ajuda, …

2 comments

  1. Na real que esse artigo é meio bobo só… de fato tem uma galera que não sabe disso (tem pra todo nicho), mas isso daí é meio que sabido pela galera que simpatiza mesmo com a cultura nipônica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *