Home / EXPLORED HISTORY / Desmistificando o Segundo Reinado

Desmistificando o Segundo Reinado

Confrades, quase todos aqueles que me conhecem e alguns dos seguidores da página sabem que sou monarquista de carteirinha. Defendo o regime monárquico desde meus 17 anos, e vejo com animação o rápido crescimento no número de defensores da causa.

Porém, tem uma coisa que já vem me incomodando a um tempo no comportamento de muitos monarquistas é uma corrente que vem se espalhando há muito tempo no facebook, com supostos fatos sobre o segundo reinado que não condizem com a realidade. Infelizmente, vejo muitos monarquistas recebendo essa corrente e acreditando no que diz nela, compartilhando em seguida sem pesquisar sua veracidade. Sei que não fazem isso por maldade, pois já caí nessa corrente uma vez, mas é sempre bom lembrar que nem tudo aquilo de bom que dizem ter acontecido no segundo reinado de fato aconteceu.

Por isso, acho necessário desmistificar alguns fatos sobre o segundo reinado que muitos monarquistas levam como verdade sem antes pesquisar. Agora vamos ao ponto:

Mito nº 1- A Armada Brasileira em 1880 era a segunda maior e melhor do mundo, perdendo apenas para a Inglaterra: esse mito até que faz sentido se você não parar para pesquisar sobre. A Armada Imperial de fato era grande, e os navios eram de excelente qualidade. Graças a Armada, o Brasil saiu vitorioso na guerra de independência contra Portugal, além dela ter cumprido papéis importantíssimos em quase todas as guerras do primeiro e segundo reinados, mas não, ela não chegava nem perto de ser a segunda maior e melhor do mundo. A segunda maior marinha do mundo nesse período era a marinha francesa, e mesmo nas décadas anteriores do império, o Brasil não chegou perto de ter a segunda maior marinha do mundo.

Mito nº 2- Em 1880, o Brasil era o maior construtor de estradas de ferro do mundo, com mais de 26km: sim, o Brasil avançou bastante na construção de estradas de ferro nesse período. Mas elas tinham praticamente uma única função: transportar café. Mesmo com o crescimento da malha ferroviária brasileira, ela nem se comparava a de boa parte dos países europeus. Só pra vocês terem uma ideia, vou mostrar a vocês três malhas ferroviárias que eram maiores que a nossa nesse período:

Malha ferroviária britânica entre 1840 e 1850

Malha ferroviária indiana em 1893. Na época, a Índia era um dos
países que faziam parte do chamado Raj Britânico

Malha ferroviária do Império Alemão em 1880

 

Mito nº 3- D. Pedro II falava 23 línguas, sendo fluente em 17: esse talvez seja o mito que mais aparece na minha timeline, às vezes com números diferentes. Serei rápido e direto quanto a esse mito: D. Pedro II não falava 23 línguas, ele falava 13 e era fluente em 6. Ainda é coisa pra cacete, mas D. Pedro também não era esse “deus das línguas” que tanto falam. Se quase nenhum linguista conseguiu dominar tantas línguas, o que dirá um imperador com pouco tempo disponível para isso.

Mito nº 4- 20. D. Pedro II andava pelas ruas de Paris em seu exilio sempre com um saco de veludo ao bolso com um pouco de areia da praia de Copacabana. Foi enterrado com ele: esse mito é uma meia verdade. Ele de fato foi enterrado junto com um recipiente de terra brasileira que ele catou antes do exílio, mas ainda não existe consenso sobre se era um saco ou uma jarra de areia, e se essa areia era somente de Copacabana. Mas o que se sabe é que, sim, ele deixou um bilhete para que essa terra brasileira fosse enterrada junto com ele e ela foi de fato posta em seu caixão.

Mito nº 5- em 1880, a moeda brasileira tinha o mesmo valor do Dólar americano e da Libra Esterlina: não tem muito o que falar sobre isso. Pra começo de conversa, apesar do mil-réis ser uma moeda forte, ela era utilizada quase que somente no Brasil, tendo pouco valor fora da América do Sul. Além disso, não tem como ela ter tido o mesmo valor do Dólar e da Libra pois nem sequer essas duas moedas tinham o mesmo valor.

Bom, por enquanto é isso. A dita corrente tem outras falsas, mas essas são as que achei mais importantes desmistificar. Fica o recado tanto para quem é quanto para quem não é monarquista: antes de espalhar qualquer informação nas redes sociais, verifiquem se ela é verídica. Às vezes uma pesquisa de cinco minutos já derruba a informação falsa por água abaixo.

O Segundo Reinado foi um momento importante e próspero na história do Brasil. O crescimento era estável e constante; praticamente todas as leis de combate à escravidão surgiram nesse período; tínhamos uma política externa forte e foi o período em que o Brasil demonstrou seu maior enriquecimento artístico, tanto em quantidade quanto em qualidade. Mas não vamos esquecer que o Brasil ainda era nação independente praticamente nova, ainda dando seus primeiros (e constantes) passos para o desenvolvimento. E que D. Pedro II, por mais habilidoso estadista que fosse, ainda era um homem, e não um deus.

About Lucas Mayon

Estudante de Direito em Brasília, criador da página.

Check Also

Um mundo romano continuado por bárbaros

A queda do império romano em 476 d.c marca historicamente o fim da idade antiga …

9 comments

  1. andreborgescwb

    Francamente a mais lúcida “defesa”/ataque à monarquia que já li. Meus sinceros parabéns, Lucas Mayon.

  2. Convenhamos: Os dois Imperadores e o Império tinham limitações e não eram exatamente ‘grandes indivíduos’, mas elevar um país à condição de potência continental com estabilidade e relativo progresso em menos de 60 anos não é algo que republicanos costumam fazer – e nem poderiam, (des)graças á própria estrutura republicana.

  3. Não esqueça de falar sobre a 4ª economia mundial. Espalham esse mito também.

  4. Crítica/apoio muito válido ao movimento,somete acho que esqueceu da falácia da “terçeira maior economia do mundo”.

    • Eu queria falar dessa falácia, mas não tenho muitas fontes disponíveis sobre economia. Por isso ficaria difícil pra eu falar desse mito mas sem saber informar quem ocupava essa posição ou qual posição o Brasil ocupava.

  5. Além disso,sobre a Armada consta que em 1886 o Império tinha um número de navios comparado a Marinha Italiana e a Marinha Dinamarquesa.
    Fonte: https://archive.org/details/bub_gb_RhYAAAAAMAAJ

    • sim, muito da nossa “grande marinha” eram muito mais marinha fluviais, ou seja, para rios e lagoas, que eram pequenos e com menos armas potentes.

  6. Namoral eu venero vocês <3