Home / EXPLORED HISTORY / Desmistificando o Império Bizantino
Império Bizantino no auge de sua extensão.

Desmistificando o Império Bizantino

O Império Bizantino (ou Império Romano do Oriente) foi uma das nações europeias mais importantes da Era Medieval. Estavam entre os principais responsáveis pelas cruzadas, controlavam o comércio entre a Ásia e Europa e foram causa de uma série de intrigas religiosas que resultaram tanto na coroação de Carlos I como Imperador de Roma quanto no Cisma do Oriente. Mas sua história é ainda cheia de exageros e enganos. Portanto, sem mais demoras, vamos ao:

 

Mito nº 1- O Império Bizantino nunca tentou restaurar o Império Romano do Ocidente: não apenas o Império Bizantino tentou, como por muito pouco não conseguiu restaurar o Império Romano. Durante o reinado de Justiniano I, por volta do século VI, os bizantinos realizaram uma série de campanhas que expandiram o império pelos Balcãs, pela Península Itálica, pelo norte da África e um pedaço da Península Ibérica. Mas infelizmente para Justiniano, sua esperança de restaurar o Império Romano foi por água abaixo quando um surto de peste bubônica e as más relações com a Pérsia interromperam o crescimento do império, que agora estava fragilizado.

Mito nº 2- O Império Bizantino não se preocupou em restaurar o Direito Romano: uma das principais marcas do Império Romano na história ocidental foi seu elaborado sistema jurídico, principalmente em relação ao Direito Civil (em resumo, é o ramo do Direito que regula as relações entre as pessoas; como contratos, obrigações, etc.). No oeste europeu, a queda do Império Romano do Ocidente marcou um declínio nesse sistema jurídico, que só foi recuperado séculos depois por estudiosos da Igreja Católica. Já no lado oriental, principalmente durante o reinado de Justiniano I, o Direito Romano não apenas permanecia de pé, como ele foi aprimorado e codificado.

Mito nº 3- Os (ex) bizantinos não se conformaram com a dominação otomana: o que não falta nos fórums de discussão na internet é gente que acha que a população de Constantinopla não se conformou em ter sido dominada pelo Império Otomano. O fato é que praticamente não houve resistência ao novo governo depois do cerco de Constantinopla. Não apenas isso, como o suposto herdeiro do trono bizantino- Manuel Palaiologos- concedeu ao sultão Maomé II seus direitos como herdeiro do império em troca de uma pensão monetária. Portanto não apenas os bizantinos se conformaram com o governo otomano, como o próprio suposto herdeiro lhe concedeu seu título.
Mito nº 4- Os bizantinos chamavam a si mesmos de bizantinos: é muito comum crer que a queda do Império Romano do Ocidente trouxe ao império do oriente uma alteração institucional que mudou o nome do império. Mas na prática, os bizantinos nunca se sentiram menos romanos após a queda da parte ocidental do império. O termo “bizantino” só foi surgir depois da queda do império, e foi um termo criado por historiadores turcos para diferenciar as duas porções do Império Romano. Quando o império estava de pé, os bizantinos chamavam a si próprios de romanos ou mesmo de gregos.

About Lucas Mayon

Estudante de Direito em Brasília, criador da página.

Check Also

Um mundo romano continuado por bárbaros

A queda do império romano em 476 d.c marca historicamente o fim da idade antiga …