Home / EXPLORED HISTORY / Como chegamos até a revolução industrial?
Este mapa japonês do século 17 representa o quão globalizado o mundo já estava. A globalização foi de grande importância para a industrialização.

Como chegamos até a revolução industrial?

Como chegamos até a revolução industrial? No seu livro a era das revoluções “A Era das Revoluções – 1789 – 1848”, Eric Hobsbawm aborda como que duas grandes ondas transformadoras modificaram o mundo de uma maneira sem precedentes. A primeira delas foi a revolução francesa e as seguintes revoluções liberais e a segunda, talvez ainda mais importante a revolução industrial.

A revolução industrial talvez tenha sido a segunda mais importante transformação da história da humanidade, tendo a primeira sido a revolução do paleolítico, tema abordado por este artigo aqui. A revolução do paleolítico permitiu que sociedades de grande porte e civilizações sedentárias se estabelecessem, por conseguinte, fez surgir os códigos de leis, a escrita, metalurgia e os grandes conflitos armados.

A revolução paleolítica fez a economia dos homens pela primeira vez em sua história sair de economia de subsistência para uma primitiva forma de economia de acumulação de forma a conservar estruturas de poder que se auto legitimam pela infraestrutura econômica. Ou seja, a invenção de uma hierarquia e forças militares para manutenção da distribuição e produção agrícola e artesanal ao passo que essa força controla e protege os seus súditos. Ali, um primitivo contrato social foi estabelecido.

Muitos milênios se passaram desde o surgimento das primeiras civilizações hidráulicas e a roda da história deu dramáticos giros ao longo de sua trajetória e deu também subsídios para as transformações econômicas e técnicas fantásticas da revolução industrial. As mais latentes transformações que levaram ao desenvolvimento da economia industrial foram as grandes navegações e uma primeira revolução científica, com cientistas e pensadores como Isaac Newton e René Descartes.

As grandes navegações abriram os mares nunca dantes navegados e deram espaço para o fenômeno da globalização dos mercados. Ao passo que a primeira revolução científica fez descobertas incríveis sobre o cosmos, a constituição da ciência como objeto epistemológico e sobretudo a mecânica clássica.

Esses dois eventos, o das grandes navegações e da primeira revolução científica se inserem em um período da história européia de reforma religiosa seguida da ascensão das monarquias absolutistas. De acordo, alguns pensadores contemporâneos, como Hobbes e Maquiavel serão advogados desse regime absoluto, que será definidor do final do século XVII até o XVIII.

                     O palácio de Versailles, a cara do absolutismo.

Ao passo que este regime político vai se enferrujando uma nova ordem intelectual se forma. Filósofos e ideológos de toda a Europa vão se juntar e comum esforço para pensar o tão ilustre iluminismo, abrindo as portas para uma ciência moderna e uma concepção liberal da economia e também da política.

Será esse iluminismo acompanhado das ideias liberais, das mais moderadas até as mais radicais, que será definidor do que Hobsbawm chamou de “A Era das Revoluções”.

Na continuação deste artigo, tratarei dos primórdios da revolução industrial e seus incríveis avanços para com a civilização humana.

About Salomon Mebain

Fascinado por história e jogos de estratégia. Atualmente sou graduando em História e Editor da página HFMB, assim como criador de conteúdo aqui no Site.

Check Also

Desmistificando a Guerra dos Farrapos

A guerra dos farrapos foi sem dúvida a mais duradoura e é a mais conhecida …